Precisamos falar sobre a Hungria

Leitura de 2 minutos

A maioria dos governos do mundo está, há meses, mobilizando recursos na luta contra a pandemia de Covid-19. É um dos maiores desafios que a humanidade tem enfrentado na história recente.

Mas, aqui na Hungria, nosso primeiro-ministro Viktor Orbán usou a situação como um pretexto para conseguir poder ilimitado, governando por decreto.

Além disso, o governo apresentou um projeto de lei que, entre outras coisas, tornaria impossível para as pessoas trans alterarem legalmente o marcador de gênero em seus documentos.

Há algumas semanas, o Parlamento húngaro aprovou essa lei e proibiu o reconhecimento legal de gênero para pessoas trans e intersexuais. Isso significa que pessoas trans em nosso país terão que viver com documentos que não correspondem à sua verdadeira identidade.

E quais as consequências dessa decisão?

Primeiro, ela causa uma exposição ainda maior à discriminação no trabalho, na busca por moradia e no acesso a serviços. Além disso, ela abre caminho para procedimentos médicos desnecessários, como cirurgias, prejudiciais a crianças intersexuais.

Mas não vamos desistir. Nossa organização, Transvanilla Transgender Association, quer levar esta questão diretamente à presidenta da Comissão Europeia e pedir que condene essa ação transfóbica do governo húngaro.

Por isso, lançamos esse abaixo-assinado. Na versão original, em inglês, já temos mais de 85 mil assinaturas!

Por favor, junte-se a nós. Assine e compartilhe esta campanha.

Escrito por:
Tina Kolos Orbán da organização húngara Transvanilla Transgender Association

Pessoas trans e travestis: discriminação no ambiente de trabalho? Saiba o que fazer

Um pouquinho da história lésbica do Brasil

Precisamos falar sobre a Hungria